Clínica Veterinária Espaço Animal começa a atender em horário novo

Já estão em vigor os novos horários de atendimento da Clínica Veterinária Espaço Animal. Desde o início de dezembro, estamos atendendo de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 13h às 19h30. Já nos sábados você pode nos visitar das 13h às 16h.

Mantenha a saúde do seu pet em dia e agende seu horário! Estamos localizados na rua Dom Pedro, 678, no Centro de Esteio.

Cachorros braquicefálicos e os cuidados com os problemas respiratórios

Cachorros braquicefálicos são animais que possuem cabeça “achatada” e focinhos encurtados em relação ao que se considera normal. Em geral, estes cães têm uma respiração mais pesada, audível mesmo para quem não está muito perto, e costumam roncar enquanto dormem.

Estas características, infelizmente, podem acarretar uma série de problemas à saúde e, para evitá-la, é importante o tutor ter consciência de que terá de adotar muitos cuidados no dia a dia.

Luan Madruga, médico veterinário da Clínica Espaço Animal, nos ajuda a esclarecer alguns pontos importantes desta condição.

Quais cachorros são braquicefálicos?

Algumas raças apresentam esta característica. Os mais conhecidos são pugs, boxers, buldogues e shih-tzus, que estão entre as raças mais comuns no Brasil atualmente. A cabeça achatada e o focinho encurtado são resultado de modificações feitas artificialmente ao longo dos anos e a sua reprodução é objeto de debate há vários anos por veterinários ao redor do mundo.

Que cuidados é necessário ter?

Luan Madruga explica que tutores de cachorros braquicefálicos devem fazer controle regular do peso do animal para evitar obesidade e magreza e acrescenta que também é importante realizar “avaliação com um médico veterinário para avaliar alterações causadas pela síndrome do braquicéfalico e necessidade cirurgia para uma melhor qualidade de vida”.

A atividade física, que é tão importante para a manutenção da saúde canina, é uma tarefa mais delicada para estes cães. Como eles possuem dificuldade de respirar, os exercícios devem ser leves e em temperaturas mais amenas. Deve-se evitar, portanto, a exposição em dias de muito calor e sol.

Que outros problemas a braquicefalia apresenta?

O médico veterinário conta que eles têm alterações congênitas, como prolongamento de palato e estenose de narina.

O palato é conhecido como o céu da boca. Quando há o prolongamento, a passagem do ar fica mais difícil, o que causa os roncos e a respiração com ruídos já mencionados. No entanto, em casos mais sérios, pode provocar cianose, que é um problema por conta da falta de circulação e/ou oxigenação do sangue, e síncope – desmaio. Já a estenose é o estreitamento das narinas e faringe, que também dificultam a passagem do ar. O problema pode levar ao colapso completo da laringe.

Quais são os tratamentos possíveis para cachorros braquicefálicos?

Embora seja uma condição inata, existem, conforme explica Luan, procedimentos cirúrgicos que podem amenizar os sintomas. A estafilectomia, que é a cirurgia para reduzir o palato no animal, e a rinoplastia, intervenção que reduz a borda do nariz, aumentando o espaço para a entrada de ar, podem ser opções válidas de acordo com orientação médica.

Como prevenir o câncer de próstata em pets?

No Novembro Azul, voltamos as nossas atenções ao câncer de próstata, que pode ser encontrado não só em humanos, mas também em animais, especialmente nos cães. Em geral, os fatores que levam à formação do tumor têm relação com genética e idade: raças de porte maior e pets com idade mais avançadas possuem maior incidência.

Os sintomas do câncer de próstata podem ser variados e afetar tanto o sistema urinário, quanto o digestivo. Assim, estão na lista, entre outros: dificuldade para urinar ou defecar, perda de peso, falta de apetite e fezes em formato achatado.

Prevenção é o melhor caminho contra o câncer de próstata

Para estar sempre seguro quanto à saúde do seu animal, é fundamental apostar na prevenção. O primeiro passo é castrar o animal no momento correto. Como já havíamos ressaltado no texto sobre o câncer de mama, o mesmo vale para os machos. O pet castrado tem suas chances de desenvolver o tumor e outros problemas na próstata consideravelmente reduzidas.

Faça a lição de casa: realize exames de rotina

Não tem segredo: exames periódicos bem feitos são o melhor amigo do tutor quanto à saúde do seu bichinho. Eles não evitam a doença, mas, se descobertos prematuramente, tornam o tratamento e a recuperação mais simples. Para quem tem cachorros de grande porte, é bom iniciar os checkups a partir dos cinco anos.

Alimentação saudável e rotina de exercícios ajudam

Outros fatores que sempre aparecem quando falamos sobre saúde de gatos e cães são alimentação e exercício. Com a ajuda de um profissional, busque por uma dieta balanceada e completa com os nutrientes de que o pet precisa. Tenha atenção ao excesso de carboidratos e açúcares. Também, sempre destine um momento do seu dia para passear ou brincar dentro de casa.

Câncer de mama em gatas e cadelas: sintomas, prevenções e tratamento

Outubro é, em todo o mundo, o mês em que se dá uma atenção maior ao câncer de mama, doença que atinge majoritariamente mulheres. No entanto, tutores também devem estar atentos aos seus animais de estimação, uma vez que estes podem desenvolvê-lo ao longo do tempo.

Quais são os sintomas?

Em primeiro lugar, o tutor deve prestar atenção nas mamas do seu pet. Quando há a presença do tumor, ele pode ser um nódulo ou vários e ter diferentes tamanhos e consistências. Além disso, o animal com câncer de mama pode apresentar uma série de sintomas, como diarreia, emagrecimento rápido, falta de apetite, inchaço e vermelhidão. Ainda assim, é importante ressaltar que o diagnóstico deverá ser feito apenas por um médico veterinário.

Como é o tratamento?

Um profissional removerá toda a mama. Mas antes do procedimento cirúrgico, é necessária a realização de exames de imagem para averiguar se há tumores em outros órgãos do animal.

Quais são os cuidados para a prevenção?

Embora não haja nada que garanta que o pet não vá desenvolver o câncer de mama futuramente, há cuidados que diminuem consideravelmente os riscos. O principal deles é a castração. Quanto mais cedo ocorrer, menores as chances. Também, destaca-se a não utilização de anticoncepcionais e o cuidado com produtos químicos na casa, como itens de limpeza que podem ser tóxicos.

Quem está no grupo de risco?

O câncer de mama acomete tanto gatas como cadelas de todas as raças. No entanto, existe maior incidência naquelas de 10 a 11 anos de idade e com obesidade. Por isso, vale muito a pena também estar de olho na alimentação dos seus pets.

Dicas para aumentar a expectativa de vida do seu cachorro

No dia 26 de agosto, comemora-se o Dia Mundial do Cão. Para celebrar a data, a Médica Veterinária da Espaço Animal, Márcia Rambo, preparou um conteúdo sobre como aumentar a expectativa de vida do seu cachorro, para você comemorar essa data por muitos e muitos anos. Confira abaixo!

“A partir dos 7 anos de vida, o cão já é considerado idoso. Nesta fase, já começa uma série de cuidados. O ideal é fazer checkups anuais com, pelo menos, exames de sangue, uma ecografia do abdômen e um eletrocardiograma.

Sabemos que na prática, às vezes isso nem sempre é possível. Então, em contrapartida, a gente deve manter uma alimentação bem balanceada para eles, com ração de excelente qualidade, manter a atividade física, apesar de que eles começam a se movimentar menos quando chegam na fase idosa e, principalmente, entender as necessidades do cão idoso.

Hoje em dia, com o advento de novas tecnologias, da ciência, a gente consegue aumentar a expectativa de vida dos cães. Porém, a gente nota a ocorrência de bem mais doenças que antigamente não se via ou não se tinha diagnóstico. Por isso, sempre é importante a prevenção na saúde.

Ao pegar o filhote, o tutor já deve saber que ele vai ter uma expectativa de vida de 10 a 15 anos e sempre zelar, repito, pela prevenção da saúde, com alimentação balanceada, exercícios e, quando chegar na fase idosa, a pessoa vai ter um animal com uma saúde melhor.”

Escrito por Márcia Rambo, Médica Veterinária da Espaço Animal

Publicado por Emilin Grings Silva no dia 24/8/2023.

Esporotricose tem cura?

Micose cutânea caracterizada por lesões ulceradas que não cicatrizam, a Esporotricose é uma doença causada pelo fungo sporotrix que atinge gatos e humanos. Ou seja, é uma zoonose.

Nos felinos, as úlceras costumam aparecer no focinho e nos membros. É uma enfermidade contagiosa transmitida através do contato com as lesões do animal infectado por meio de arranhaduras ou mordidas.

Segundo o Médico Veterinário da Clínica Espaço Animal, Luan Madruga, o mal tem cura através de medicação, mas é preciso que o tutor procure atendimento veterinário assim que houver suspeita, pois o tratamento é longo e difícil. E aconselha: “O melhor de tudo é prevenir. Isso pode ser feito quando evitamos que que o gato tenha contato com outros gatos fora do ambiente dele.”

Publicado por Emilin Grings Silva em 28/7/2023

Benefícios que bichos de estimação trazem à saúde

De reduzir estresse até detectar câncer, animais podem ser muito benéficos à saúde, segundo pesquisas. Confira a lista abaixo:

1. Bons companheiros

Eles são graciosos e bons companheiros, mas não apenas isso. Animais de estimação fazem bem à saúde. Prova disso é que, recentemente, o hospital Albert Einstein, em São Paulo, liberou visitas de bichos a pacientes internados, inclusive em unidades semi-intensivas. O motivo da permissão é a humanização do tratamento e a interferência positiva que eles exercem na cura. Várias pesquisas já demonstraram o poder que esses “amigos” têm para melhorar a qualidade de vida.

2. Animal de estimação reduz o estresse

Um estudo feito pela Universidade Estadual de Nova York, nos Estados Unidos, mostrou que os bichos de estimação são ótimas companhias para combater o estresse. O experimento testava os níveis de tensão de pessoas em quatro situações: sozinhas, com seu parceiro, com seu animal e com seu parceiro e o animal. Eles descobriram, então, que a ocasião de maior tranquilidade foi apenas com o pet.

3. Pet diminui a depressão

A tristeza também vai embora com mais facilidade para as pessoas que têm animais. Diversas pesquisas já mostraram que essa convivência reduz a sensação de solidão, a ansiedade e a depressão. Isso porque, quando o humano passa parte do dia com um bicho, ele passa a produzir mais hormônios como a ocitocina, a prolactina e a serotonina, que melhoram o humor.

4. Bicho faz cair o risco de alergias em crianças

Muitas famílias podem escolher não ter um animal em casa para evitar que os filhos desenvolvam alergias. Mas estudos feitos por um pesquisador da Universidade de Wisconsin-Madison mostraram que as chances de uma criança ter esse tipo de problema são 33% menores com um bicho de estimação. Isso porque, com a convivência, os pequenos desenvolvem um sistema imunológico mais forte. Esse efeito, no entanto, não acontece entre adultos que já sofrem de alergias.

5. Animal em casa faz bem para o coração

Além do amor, os cães, gatos e outros pets ajudam de outra forma o coração dos donos. Segundo pesquisas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) e do Instituto Nacional de Saúde (NIH), nos Estados Unidos, criar um bicho em casa ajuda a reduzir a pressão sanguínea, o colesterol e o nível de triglicérides. Consequentemente, servem de prevenção contra ataques do coração e outras doenças cardiovasculares.

6. Cachorros ajudam a detectar câncer

Cães podem ser úteis aos donos e médicos na detecção de câncer em diversas regiões do corpo, como pele, bexiga, pulão, mama, ovário e colo. O diagnóstico é feito ao farejarem o local doente e é possível que os cachorros sejam até treinados para fazer esse tipo de descoberta. De acordo com especialistas, a precisão deles pode variar nas faixas de 80% e 90%.

7. Cães podem detectar hipoglicemia

Segundo um estudo conduzido pela Universidade Belfast do Queens, na Irlanda, e pela Universidade de Lincoln, na Inglaterra, diabéticos ou outras pessoas que têm bruscas quedas de níveis de açúcar no sangue podem treinar seus cães para ajudar a evitar crises de hipoglicemia. A pesquisa indica que cachorros seriam capazes de detectar uma redução do índice glicêmico, ao perceber sinais diferentes de comportamento, que o dono pode não perceber, e ao sentir a liberação de feromônios por meio do suor. Ainda não há uma conclusão fechada sobre o tema, mas um método a mais para prevenir o problema seria bem-vindo.

8. Cachorros ajudam no emagrecimento

Passear com o cachorro é bom para ele e para o dono, de acordo com levantamento do Instituto Wellness, no Hospital Northwest Memorial. As caminhadas com o pet são boas para manter e perder peso, e, segundo outro estudo do Instituto Nacional de Saúde (NHI), dos Estados Unidos, os responsáveis pela saída diária são menos propensos à obesidade, se comparados com quem não possui animal de estimação.

9. Gatos reduzem risco de AVC

Um estudo da Universidade de Minnesota afirma que gatos podem ser benéficos para prevenir acidente vascular cerebral, infarto e outras doenças cardiovasculares. O trabalho foi feito por 20 anos com quase 4.500 pessoas e percebeu-se que aqueles que não criaram os bichanos tiveram risco 40% maior de morrer de ataque do coração e 30% maior de perder a vida por uma doença cardiovascular, em relação aos donos de gatos. Esse resultado foi percebido apenas entre pessoas que tinham essa espécie, não incluindo os donos de cães. Apesar de não explicar a causa, os cientistas acreditam que esse poder está no fato de os gatos ajudarem a relaxar e reduzir a ansiedade de seus criadores.

Fonte: Revista Exame

Texto publicado no dia 18/3/2023

ONG Amigos do Floppy precisa de ajuda

350 ANIMAIS! Esse é o número de bichos vítimas de maus tratos e abandono que a ONG Amigos do Floppy – Sítio da Denise Costa está abrigando atualmente. A propriedade fica em Sapucaia do Sul e está precisando de doações.

Clínica Espaço Animal firma parceria com ONG Amigos do Floppy

Quer ajudar os pets que moram lá? Faça um pix de qualquer valor para 94965560000 (CPF). A sua ajuda certamente fará diferença na vida dos animais que residem no local.

Coronavírus felino: os sintomas da Peritonite Infecciosa Felina (PIF)

Você sabia que gatos também podem ser acometidos pelo Coronavírus? Calma! Não é o mesmo vírus dos humanos. Ou seja, não há risco de você transmitir Covid 19 para o seu gato.

Embora o nome seja o mesmo, o Coronavírus que ataca felinos causa danos fatais porque os bichanos infectados desenvolvem a Peritonite Infecciosa Felina (PIF). O gato que com essa doença passa a ter um processo inflamatório que atinge praticamente todo o organismo causando sintomas diversos.

Há dois tipos de PIF: a efusiva e a não efusiva. Confira abaixo os sintomas de cada uma:

PIF Efusiva: febre alta, efusões (acúmulo de líquido no abdômen ou tórax), linfoadenopatia mesentérica (inflamação dos gânglios), anorexia (falta de apetite), perda progressiva de peso, desidratação, icterícia (amarelão), diarreia e dispneia (dificuldade respiratória)

PIF Não Efusiva: causa inflamação em vários sistemas do organismo, mais comumente atingindo o sistema nervoso.

Transmissão

A doença é transmitida pelo contato do gato com fezes de outros felinos infectados. A transmissão também ocorre durante a gestação e amamentação, ou até pelas mucosas da boca e nariz, principalmente pela mordida ou lambedura em feridas abertas.

Tratamento

É uma doença que não tem cura nem vacina. Existem tratamentos paliativos que prologam e deixam a vida do animal mais confortável.

Prevenção

Segundo o Médico Veterinário e Proprietário da Clínica Espaço Animal, Hermes Raupp, a manutenção da higiene no ambiente dos animais é fundamental para prevenir a PIF. “Onde a população de gatos é maior, como gatis e abrigos, a caixa de areia deve ser limpa higienizada completamente pelo menos uma vez por semana”, explica.

Ainda conforme o especialista, o vírus morre facilmente com o uso de detergentes comuns. Além disso, Hermes alerta que, diante de qualquer suspeita de PIF, o animal deve se manter isolado para não contaminar outros.

Seis dicas para aumentar a expectativa de vida do seu gato

Quem é gateiro, faz de tudo para que o seu felino viva muitos e muitos anos ao seu lado, não é mesmo? Então, prepare o print da tela para copiar essas dicas que podem contribuir para aumentar a expectativa de vida do seu pet, além de garantir bem-estar e saúde a ele, é claro.

1- Vacinação em dia

A vacinação é fundamental tanto para os filhotes quanto para os adultos. Por meio dela, prevenimos uma série de doenças que os bichanos podem ter e que podem levá-los à morte.

Clique aqui para saber mais sobre o calendário vacinal

Quem institui o protocolo de vacinas é o médico veterinário que acompanha o fato. Vale ressaltar que a reaplicação de doses anualmente é muito importante para permanecer com a proteção.

2- Visitas periódicas ao médico veterinário

É essencial fazer exames periódicos.Através desses procedimentos, descobre-se problemas que podem estar acometendo o pet. A detecção de maneira precoce garante tratamento desde o início da doença, o que pode evitar o seu agravamento.

3- Castração

Além de impedir a prenhez indesejada, castrar o seu gato reduz o risco de que ele desenvolva muitas doenças, como tumores, por exemplo.

Clique aqui para saber os benefícios da castração

4- Alimentação adequada

A alimentação é fundamental quando queremos garantir a longevidade de qualquer pet.  As rações da categoria Super Premium são as mais indicadas para essa finalidade, pois possuem ingredientes selecionados, de qualidade, palatáveis, com bom aproveitamento de nutrientes, garantindo a imunidade do gato.

Saiba qual é alimentação adequada para o seu pet

A hidratação também faz parte desse tópico. Gatos não são muito chegados em beber água e esse fato pode trazer problemas no trato urinário deles. No entanto, temos artifícios que podem estimulá-los a ingerir mais líquido como: manter a água sempre fresca; comprar fontes e oferecer alimento úmido, como os sachês.

5- Atividade física regular

Estimular o gato a brincar é importante não só no controle de peso e fortalecimento da musculatura, mas também no aspecto psicológico dele. Os felinos são animais ativos, movidos pelo instinto, curiosos e desbravadores de território. Motivar brincadeiras é uma ótima maneira de manter essas características naturais dos bichanos.

6- Evite as “saidinhas”

O ideal para aumentar a expectativa de vida do seu gato é mantê-lo confinado. Essa medida pode até parecer drástica, mas evita acidentes, maus tratos e o contato com outros gatos que podem transmitir uma série de doenças ao seu.

Publicado por por Emilin Grings Silva no dia 15/2/2023