3 maneiras de saber que seu gato está feliz

Gatos são conhecidos, popularmente, como animais que não demonstram muito afeto pelos tutores. Mas essa não é uma verdade absoluta. Talvez os bichanos prefiram mesmo ficar mais ‘na deles’. Você sabia que existem algumas formas de perceber se eles estão felizes?

Apesar de sabermos que cada animal tem estímulos favoritos, conforme as próprias características de personalidade e o estilo de vida, é possível ler os sinais comportamentais dos gatos o que pode lhe ajudar a manter uma boa convivência e ainda proporcionar melhor qualidade de vida a eles e para ajudar a identificar os momentos de felicidade do seu pet, separamos algumas dicas:

Hábitos saudáveis

Um gato feliz costuma se alimentar bem, fazer necessidades fisiológicas regularmente nos locais adequados e ter longos períodos de sono. Além disso, se seu gato é muito ativo, você pode comemorar. O fato deles arranharem e pularem sobre os objetos são indicativos da alegria que estão sentindo.

Expressões corporais

Sabe aquela frase popular ‘o corpo fala’? Isso vale para humanos e para os animais. No caso dos gatos, por exemplo, rabo para cima indica confiança e alegria. Além disso, quando o bichano está feliz, costuma deitar de barriga para cima e manter os pelos e orelhas abaixadas. Também é importante que você lembre: gatos não falam, mas ronronam. E emitir esse som é uma forma de comunicar que estão em um momento feliz.

Interações com os tutores

Se você já ouviu que gato é um animal frio, está na hora de deixar essa ideia no passado. A felicidade deles também é demonstrada por atos de interação com o tutor. Sabe aquele momento que o seu felino se esfrega em você ou nos móveis, dá leves cabeçadas ou esfrega o nariz? Com certeza ele quer te dizer que está tudo bem.

Como proporcionar momentos felizes para o seu gato?

Tão importante quanto saber identificar se o felino se sente feliz é encontrar estratégias para estimular esse sentimento nele. Por isso, separamos algumas orientações para você:

  • Respeite os horários de comida;
  • Ofereça esconderijos, túneis e arranhadores pela residência para que ele possa gastar energia brincando.
  • Entretenimento de qualidade é muito importante;
  • Ofereça as famosas gratificações;
  • Separe momentos do seu dia para interagir com o felino e dar atenção a ele;
  • Se tiver mais de um animal de estimação, estimule a interação saudável entre eles;
  • Aproveite os momentos livres para bajulá-los. Eles adoram e demonstrações de afeto são necessários para vocês manterem o vínculo.

Clínica Veterinária Espaço Animal começa a atender em horário novo

Já estão em vigor os novos horários de atendimento da Clínica Veterinária Espaço Animal. Desde o início de dezembro, estamos atendendo de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 13h às 19h30. Já nos sábados você pode nos visitar das 13h às 16h.

Mantenha a saúde do seu pet em dia e agende seu horário! Estamos localizados na rua Dom Pedro, 678, no Centro de Esteio.

Cachorros braquicefálicos e os cuidados com os problemas respiratórios

Cachorros braquicefálicos são animais que possuem cabeça “achatada” e focinhos encurtados em relação ao que se considera normal. Em geral, estes cães têm uma respiração mais pesada, audível mesmo para quem não está muito perto, e costumam roncar enquanto dormem.

Estas características, infelizmente, podem acarretar uma série de problemas à saúde e, para evitá-la, é importante o tutor ter consciência de que terá de adotar muitos cuidados no dia a dia.

Luan Madruga, médico veterinário da Clínica Espaço Animal, nos ajuda a esclarecer alguns pontos importantes desta condição.

Quais cachorros são braquicefálicos?

Algumas raças apresentam esta característica. Os mais conhecidos são pugs, boxers, buldogues e shih-tzus, que estão entre as raças mais comuns no Brasil atualmente. A cabeça achatada e o focinho encurtado são resultado de modificações feitas artificialmente ao longo dos anos e a sua reprodução é objeto de debate há vários anos por veterinários ao redor do mundo.

Que cuidados é necessário ter?

Luan Madruga explica que tutores de cachorros braquicefálicos devem fazer controle regular do peso do animal para evitar obesidade e magreza e acrescenta que também é importante realizar “avaliação com um médico veterinário para avaliar alterações causadas pela síndrome do braquicéfalico e necessidade cirurgia para uma melhor qualidade de vida”.

A atividade física, que é tão importante para a manutenção da saúde canina, é uma tarefa mais delicada para estes cães. Como eles possuem dificuldade de respirar, os exercícios devem ser leves e em temperaturas mais amenas. Deve-se evitar, portanto, a exposição em dias de muito calor e sol.

Que outros problemas a braquicefalia apresenta?

O médico veterinário conta que eles têm alterações congênitas, como prolongamento de palato e estenose de narina.

O palato é conhecido como o céu da boca. Quando há o prolongamento, a passagem do ar fica mais difícil, o que causa os roncos e a respiração com ruídos já mencionados. No entanto, em casos mais sérios, pode provocar cianose, que é um problema por conta da falta de circulação e/ou oxigenação do sangue, e síncope – desmaio. Já a estenose é o estreitamento das narinas e faringe, que também dificultam a passagem do ar. O problema pode levar ao colapso completo da laringe.

Quais são os tratamentos possíveis para cachorros braquicefálicos?

Embora seja uma condição inata, existem, conforme explica Luan, procedimentos cirúrgicos que podem amenizar os sintomas. A estafilectomia, que é a cirurgia para reduzir o palato no animal, e a rinoplastia, intervenção que reduz a borda do nariz, aumentando o espaço para a entrada de ar, podem ser opções válidas de acordo com orientação médica.

Como prevenir o câncer de próstata em pets?

No Novembro Azul, voltamos as nossas atenções ao câncer de próstata, que pode ser encontrado não só em humanos, mas também em animais, especialmente nos cães. Em geral, os fatores que levam à formação do tumor têm relação com genética e idade: raças de porte maior e pets com idade mais avançadas possuem maior incidência.

Os sintomas do câncer de próstata podem ser variados e afetar tanto o sistema urinário, quanto o digestivo. Assim, estão na lista, entre outros: dificuldade para urinar ou defecar, perda de peso, falta de apetite e fezes em formato achatado.

Prevenção é o melhor caminho contra o câncer de próstata

Para estar sempre seguro quanto à saúde do seu animal, é fundamental apostar na prevenção. O primeiro passo é castrar o animal no momento correto. Como já havíamos ressaltado no texto sobre o câncer de mama, o mesmo vale para os machos. O pet castrado tem suas chances de desenvolver o tumor e outros problemas na próstata consideravelmente reduzidas.

Faça a lição de casa: realize exames de rotina

Não tem segredo: exames periódicos bem feitos são o melhor amigo do tutor quanto à saúde do seu bichinho. Eles não evitam a doença, mas, se descobertos prematuramente, tornam o tratamento e a recuperação mais simples. Para quem tem cachorros de grande porte, é bom iniciar os checkups a partir dos cinco anos.

Alimentação saudável e rotina de exercícios ajudam

Outros fatores que sempre aparecem quando falamos sobre saúde de gatos e cães são alimentação e exercício. Com a ajuda de um profissional, busque por uma dieta balanceada e completa com os nutrientes de que o pet precisa. Tenha atenção ao excesso de carboidratos e açúcares. Também, sempre destine um momento do seu dia para passear ou brincar dentro de casa.

Conheça 5 dicas para pets idosos

Depois de uma vida saudável e repleta de amor e companheirismo, os pets precisam de alguns cuidados especiais quando se tornam idosos. Assim como ocorre com humanos, o corpo e o cérebro deles passam por modificações importantes que demandam maior atenção dos tutores.

Invista em prevenção e faça consultas rotineiras

A primeira dica é bastante básica e a mais importante de todas: agende consultas com médicos veterinários e faça exames preventivos com maior constância. O recomendado é que a periodicidade seja a cada seis meses para detectar o mais rápido possível qualquer problema que possa se desenvolver com o tempo. É importante ressaltar que é normal que neste estágio da vida algumas deficiências apareçam, como baixa visão e problemas cardíacos e renais.

Revise a alimentação

A alimentação é um ponto sensível da saúde de cães e gatos. Com a idade avançada, eles levam mais tempo para absorver nutrientes, então é preciso readequar a dosagem de comida que recebem para evitar o sobrepeso. Dê prioridade para rações que são específicas para animais idosos.

Com o auxílio do veterinário, é importante estar sempre de olho nos nutrientes que podem estar em falta no organismo do bichano para buscar uma maneira de balancear a sua dieta. Porém, nunca faça alterações graves sem o aval médico.

Além de comer, é fundamental beber. Especialmente gatos são mais propensos a desenvolver problemas nos rins, então se certifique de que os pets estão ingerindo água na quantidade adequada.

Mantenha seus pets ativos

Mesmo que seja um processo natural ficar mais sedentário porque a energia não é mais a mesma de anos atrás, é papel do tutor incentivar seu pet idoso a se movimentar. No caso de cachorros, mantenha os passeios rotineiros – mas sempre atento a se eles estão aguentando o ritmo. Já com gatos, utilize brinquedos que os façam se exercitar.

Garanta um ambiente seguro e confortável

Depois de uma boa prática física, é hora de descansar. Invista em itens que oferecem conforto ao bichinho, como almofadas e cobertas para dias frios. Ainda, é importante manter acesso fácil a comida e água e garantir que objetos em que possam subir são seguros para evitar deslizes e quedas. Em alguns casos, pode ser interessante buscar por fraldas e meias antiderrapantes também.

Ajude na higiene pessoal

Gatos são animais muito higiênicos, mas, com o tempo, perdem a capacidade de se lamber, o que os deixa com uma aparência ruim e com pelos em excesso. Cabe ao seu dono realizar a sua escovação para mantê-lo higienizado.

Já os cães idosos demandam outras atenções, como banho regular. Mantenha as limpezas periódicas e tenha atenção especial à higiene bucal, escovando os seus dentes de maneira apropriada.

Quando gatos são considerados idosos?

A partir dos 12 anos. Já depois dos 15 passam a ser considerados geriátricos.

Quando cachorros são considerados idosos?

Para os de pequeno porte, 12 anos. Os maiores, 10.

Esporotricose tem cura?

Micose cutânea caracterizada por lesões ulceradas que não cicatrizam, a Esporotricose é uma doença causada pelo fungo sporotrix que atinge gatos e humanos. Ou seja, é uma zoonose.

Nos felinos, as úlceras costumam aparecer no focinho e nos membros. É uma enfermidade contagiosa transmitida através do contato com as lesões do animal infectado por meio de arranhaduras ou mordidas.

Segundo o Médico Veterinário da Clínica Espaço Animal, Luan Madruga, o mal tem cura através de medicação, mas é preciso que o tutor procure atendimento veterinário assim que houver suspeita, pois o tratamento é longo e difícil. E aconselha: “O melhor de tudo é prevenir. Isso pode ser feito quando evitamos que que o gato tenha contato com outros gatos fora do ambiente dele.”

Publicado por Emilin Grings Silva em 28/7/2023

O inverno chegou! Confira dicas para proteger seu pet do frio

As temperaturas baixas afetam a rotina de todo mundo, inclusive dos pets. Conversamos com o Médico Veterinário e Proprietário da Clínica Espaço Animal, Hermes Raupp, para saber quais sãos os cuidados que os tutores devem tomar para promover o bem-estar dos bichinhos ao longo do inverno.

Roupas devem ser usadas?

Roupas podem ser usadas desde que seja em animal de pelo curto ou o animal esteja tosado. Colocar roupa em pet de pelo longo há o risco de criar nós no pelo. Há vezes em que é preciso raspar o bichinho porque não é possível desmanchar os nós.

É necessário mudar a rotina de banhos?

A rotina de banhos não precisa ser alterada. Mas é fundamental cuidar para que o bichinho não fique exposto a correntes de ar durante e após o banho.

Que cuidados tomar com ar condicionado e estufas?

Com relação a estufas e ao ar condicionado funciona como com os humanos. Não há problema desde que o pet não saia do quente para o frio, bruscamente, ou vice e versa. Essa mudança brusca pode ocasionar problemas respiratórios. Com o ar condicionado, se o animal dorme trancado, pode ressecar as vias aéreas causando tosse e irritação na garganta.

Quais são os pets mais sensíveis ao frio?

Os animais muito jovens ou mais idosos são muito sensíveis ao frio. Nas noites muito frias é preciso tomar cuidados adicionais. Se é um bicho velhinho que dorme na rua deve-se colocá-lo dentro de casa e preparar uma cama com coberta para que se esquente. Os pets de pelo curto também sentem o inverno ao contrário dos de pelo longo que possuem uma proteção adicional. Cães, como o pastor alemão que possuem pelo e subpelo, são mais protegidos.

Quanto aos passeios, o que é recomendado?

Com relação aos horários de passeio, é preciso realizar em momentos de temperatura mais amena como entre 9h e 10h e, à tarde, das 16h às 17h.

Texto de Emilin Grings, publicado no dia 20/6/2023.

Junho é mês de prevenção das doenças oculares

Assim como os humanos, os pets também podem ser acometidos por enfermidades nos olhos. As mais comuns são catarata, ceratoconjuntivite seca, em cães, e a conjuntivite por herpes e clamidia, em gatos. É o que afirma a Médica Veterinária Oftalmologista da Clínica Espaço Animal, Lídia Clerot.

“Nos felinos, a testagem e a vacinação contra a FIV e a FELV protege contra doenças oculares. Outra forma de prevenir, tanto nos bichanos quanto nos cães, é visitando regularmente o veterinário para exame clínico”, explica Lídia.

Raças mais propensas

Há raças que correm mais riscos de desenvolverem esse tipo de doença. Entre os cães, são: Pug, Shihtzu, Yorkshire e Buldog. Já entre os gatos, os persas são mais suscetíveis.

5 atitudes dos tutores que deixam os gatos tristes

Apesar de os gatos terem uma imagem de animais frios, insensíveis e quietos, quem tem um gatinho em casa sabe que essa reputação não é tão verdadeira como dizem! Mesmo independentes, os bichanos adoram um carinho. São manhosos e dengosos, gostam de atenção. Mas você sabe quais atitudes dos humanos podem deixar os felinos tristes?

Entenda agora hábitos que podem deixar seu pet chateado.

Antes de tudo, é imprescindível compreender que possuir um animal de estimação requer responsabilidades inegociáveis e, ao adotar um gatinho – principalmente –, o tutor precisa estar disposto a alimentá-lo, dar carinho, brincar e cuidar da sua higiene. Quando os gatos têm um rompimento brusco da sua rotina ou algo que lhe desagrada, costumam sofrer alterações em seu humor.

O dengo do seu dono e um momento de atenção são atitudes que fazem o felino ronronar de prazer e felicidade! Mas fique atento caso esse ronronar sumir, possivelmente tem algo estranho aí! Por isso, listamos 5 hábitos que podem significar que seu gatinho está chateado:

1. Deixar a caixa de areia suja

Os gatos são animais extremamente higiênicos. Para eles, fazer suas necessidades em locais sujos são desagradáveis. Por isso, é importante limpar com frequência sua caixa de areia. Afinal, ninguém gosta de estar num ambiente anti-higiênico.

2. Fazer barulho

A audição do bichano é milhões de vezes mais sensível do que a dos humanos. Por isso, pequenos barulhos para nós podem ser enormes para eles. Além disso, eles podem entender esses sons altos como ameaças, o que gera um “estresse acústico”.

3. Não trocar a comida diariamente

As rações são secas e crocantes. Porém, quando a troca da ração não é feita, ela absorve a umidade do ar e amolece, isso faz com que os felinos rejeitem o alimento por instinto animal, justamente porque suas presas são frescas.

4. Provocar o bichano

Algumas brincadeiras, na verdade, não são nem um pouco divertidas para os gatinhos. Puxar o rabo, bagunçar o pelo ou arrastar o gato pelo chão não são entretenimento e faz com que se sintam agoniados.

5. Ausência do seu dono

A maioria das pessoas acham que os gatos não gostam de atenção e, por isso, sempre estão bem quando se encontram sós. Mas, a verdade é que eles precisam de atenção, mesmo que sejam considerados animais independentes. Eles retribuem o carinho da sua própria maneira.

Fonte: Site Escola Educação

Publicado no dia 27/5/2023

ONG Amigos do Floppy precisa de ajuda

350 ANIMAIS! Esse é o número de bichos vítimas de maus tratos e abandono que a ONG Amigos do Floppy – Sítio da Denise Costa está abrigando atualmente. A propriedade fica em Sapucaia do Sul e está precisando de doações.

Clínica Espaço Animal firma parceria com ONG Amigos do Floppy

Quer ajudar os pets que moram lá? Faça um pix de qualquer valor para 94965560000 (CPF). A sua ajuda certamente fará diferença na vida dos animais que residem no local.