Hipotermia pode levar cães e gatos à morte

Recentemente publicamos um texto aqui no site sobre os cuidados que você deve tomar com o seu pet nos dias mais frios. Vamos seguir no mesmo tema, mas falando de hiportemia, condição que pode acometer cães e gatos durante o inverno e podendo até levá-los a óbito. Confira a sequência de perguntas que foram respondidas pela Médica Veterinária da Clínica Veterinária Espaço Animal, Rafaela Soppelsa:

1. O que é hipotermia?

A temperatura média do corpo dos pets varia de 37ºC a 39ºC. Abaixo disso, já é um estado hipotérmico. É preciso agir rápido para não reduzir mais.]

2. O que fazer?

Aquecer o animal, mantê-lo protegido de chuva, umidade e serração. Procurar atendimento clínico se não apresentar melhora.

3. Quais são os sintomas?

Tremores, corpo frio, extremidades frias, prostração, postura encolhida, atitude de busca em por um local quente.

4. A hipotermia pode levar à morte?

Sim.

5. Por quê?

A hipotermia reduz o fluxo sanguíneo. Assim o coração começa a bater mais devagar. O sangue sai das extremidades e se concentra nos órgãos vitais. A pressão baixa, o que desencadeia lesão nos órgãos alvo até que eles entrem em falência.

Plantão 24 horas

A Clínica Veterinária Espaço Animal oferece atendimento 24 horas por dia, nos 7 dias da semana. Diante de dúvidas, contate (51) 3473 5650 ou (51) 99744 2355 (WhatsApp).

Saiba como aquecer seu pet em dias frios

mbora em 2022 já tenhamos experimentado um pouco do inverno ainda no outono, a estação mais fria do ano começou oficialmente hoje, 21/6. Ele chegou e com isso os dias gelados tendem a ser mais frequentes. Nossos pets também sentem frio e por isso, devemos tomar alguns cuidados para mantê-los aquecidos principalmente nos dias em que as temperaturas estão mais baixas.

A sensação térmica de cães e gatos depende da pelagem do bicho, seu porte e o local em que vivem. Pets com pelagem curta tendem a ser mais sensíveis. Segundo a Médica Veterinária da Clínica Espaço Animal, Rafaela Soppelsa, animais de pelo curto necessitam de um cuidado maior, pois eles não possuem um equilíbrio térmico que pets de pelagem longa possuem já que o pelo serve de isolante térmico. Bichos de porte pequeno também são mais sensíveis.

Além disso, Rafaela explica sobre o local em que o pet habita. “Animais que vivem em ambientes fechados, como apartamentos, dentro de casa, são mais sensíveis. Então, temos que ter um cuidado ainda maior para esses casos, utilizando cobertores, caminhas, roupinhas e até mesmo ambiente climatizado em alguns casos. É diferente de pets que ficam na rua que são mais resistentes”, explica.

De qualquer forma, a médica veterinária orienta que os tutores mantenham o bicho abrigado, longe de correntes de ar e protegidos da chuva. Outra dica é em relação aos passeios em dias gelados. A orientação de Rafaela é que sejam realizados em horários com sol e/ou quando a temperatura esteja mais alta.

Sobre as roupas, o tutor deve ficar atento à pelagem do bicho. “As roupas são recomendadas para animais com pelo curto. Em animais de pelo longo devem ser evitadas porque podem causar embaraçamento”, afirma Rafaela.

Confira o vídeo que produzimos sobre o assunto: