Uso de anticoncepcional aumenta o risco de piometra em gatas

Há pouco tempo, publicamos aqui em nosso site sobre a piometra em cadelas. As felinas têm menos predisposição para desenvolver a doença, mas podem ser acometidas e a infecção é tão grave quanto nas cachorras. Neste texto, vamos descobrir o porquê de terem menos riscos e também sobre como identificar sintomas, fazer o tratamento e a prevenção.

Tipos de piometra:

Conforme já explicamos no conteúdo sobre a piometra canina, essa doença é causada por alterações hormonais que têm como consequência uma infecção no útero. Assim como nas cachorras, ela pode ser aberta ou fechada:


Piometra aberta: é considerada aberta quando o colo do útero está aberto. Nesse caso, pode haver secreção de líquidos na vagina. Normalmente, é uma condição mais leve.

Piometra fechada: é quando o colo do útero está fechado. Quando ocorre, há um maior acúmulo de líquidos no interior do útero, levando a problemas mais sérios.


Causas

A fim de compreender o que causa a piometra felina, é necessário conhecer o ciclo reprodutivo delas. Ao longo do cio, o corpo da pet passa por diversas alterações para se preparar para uma possível gravidez.
Entre as alterações, está o aumento da progesterona, hormônio que prepara o útero para receber os filhotinhos. Entre as atividades promovidas pela substância estão:

  • Redução da resposta imunológica e diminuição de possíveis defesas para que não haja um ataque aos fetos;
  • Inibição dos movimentos de contração;
  • Fechamento do colo do útero;
  • Aumento de secreção de líquidos no interior do útero.

Porém, quando a fecundação não ocorre, a progesterona em excesso torna o útero um lugar perfeito para o surgimento de bactérias. A imunidade baixa, muito líquido e o fechamento do colo do útero possibilitam que as bactérias se espalhem pelo organismo de maneira mais fácil. Dessa forma, ocorre a piometra na gatas – quadro que é bastante raro nas bichanas, já que o cio felino é um pouco diferente.


Por que é raro?


O crescimento da produção de progesterona durante o cio da fêmea é comum em diferentes espécies. Entretanto, nas gatas, a ovulação só ocorre após o coito. É apenas depois da relação sexual que o útero se prepara para a gestação. Como a progesterona só vai aumentar com a cruza e a piometra só ocorre quando não há fecundação, é muito raro que a doença acometa a espécie, já que, depois do coito, elas logo engravidam.


Mas, médicos veterinários têm registrado um aumento dessa infecção em gatas nos últimos anos. Segundo pesquisas, isso se dá em decorrência do uso de anticoncepcionais. A medicação desregula os hormônios do organismo da gatinha para impedir a gestação mesmo que ocorram relações sexuais.
Com a desregulagem, ela pode ter aumento de progesterona em seu corpo e, consequentemente, desenvolver as condições propícias para infecção. Assim, estudos mostram que o principal motivo para a piometra em felinas é a utilização de anticoncepcionais.


Principais sintomas


Descobrir que a gata está com piometra é desafio, pois os felinos, tanto machos quanto fêmeas, são muito independentes e evitam mostrar que estão sentindo dores ou incômodos. Além disso, como a enfermidade é relativamente rara, pode ser confundida com outras doenças. Os sintomas da piometra irão depender da característica da doença, ou seja, se é aberta ou fechada:


Aberta
• Secreção vaginal de coloração amarela, avermelhada ou marrom, com cheiro forte e desagradável;
• Apatia;
• Febre;
• Vômitos,
• Diarreia.


Fechada
• Apatia;
• Falta de apetite;
• Febre;
• Vômitos,
• Diarreia.

Sem a secreção em caso de piometra fechada, sua identificação é mais complexa. Por isso, é importante buscar ajuda de um veterinário ao notar qualquer um dos sinais clínicos citados acima. Ambos os quadros são graves e precisam de um atendimento veterinário da forma mais ágil possível.


Diagnóstico e tratamento


Além de analisar sinais clínicos e o histórico da pet, exames podem ser requeridos. Entre eles, ultrassom e de sangue.


O tratamento não é feito com remédio na piometra felina. O processo mais rápido e recomendado é a remoção do útero da gata. Assim, há prevenção também de outras infecções.

Prevenção

A castração é melhor maneira de prevenir a piometra e outras doenças. Para além de impedir uma gestação indesejada, a remoção do útero evita os temidos e perigosos tumores.

Pacote promocional em nossa clínica

Temos um pacote promocional que inclui vacinação e castração. (Clique aqui para conhecer.) Como foi mencionado acima, muitas vezes é difícil identificar a piometra. Portanto, não deixe de recorrer à medicina veterinária periodicamente. Para agendar consultas na Clínica Espaço Animal, basta entrar em contato pelos telefones (51) 3473 5650 ou (51) 997442355 (WhatsApp).

Cuidados com os pets: dicas para viagens e comemorações de final de ano

O final de ano é o período mais festivo para os humanos. Natal e Ano Novo são sinônimos de confraternização, celebração e expectativa para o novo ano que se avizinha. No entanto, o mesmo não se pode dizer para os pets. Em geral, este é o momento mais estressante para a maioria dos cães e gatos. Por isso, neste texto, nós separamos algumas dicas para que eles passem por estas datas da maneira mais tranquila possível.


Para além das festividades de dezembro, é comum que muitos tutores tirem férias neste momento. E uma das dúvidas mais recorrentes desta época é o que fazer com o pet durante o período de viagens. Segundo os especialistas, o ideal é que os animais sejam levados juntos, desde que seja para um local que ofereça estrutura necessária ou que ele se adapte rápido a novos ambientes. Porém, para que o passeio ocorra sem maiores problemas, é importante se atentar a alguns detalhes:

  • Se a viagem for feita de carro, os cachorros precisam usar cinto de segurança. Ainda, se for uma raça de grande porte, é possível que sejam carregados no porta-malas, desde que exista uma rede de proteção. Já os gatos, por sua vez, precisam estar em uma caixa apropriada;
  • Certifique-se de disponibilizar bastante água durante o trajeto. Em geral, os cachorros sofrem mais com o calor;
  • Além de água, também tenha certeza de que há ração suficiente para os bichinhos;
  • Faça paradas a cada duas ou três horas para verificar se está tudo bem;
  • Certifique-se de que a carteira de vacinação está atualizada e de levar os remédios periódicos (se houverem) e aqueles para emergências;
  • Por fim, confira onde está localizada a clínica veterinária mais próxima da sua hospedagem antes mesmo de embarcar.

Cuidados com a queima dos fogos de artifício

Outro ponto extremamente delicado para os pets são os fogos de artifício. O barulho dos estouros pode ser extremamente prejudicial para eles, provocando, em alguns casos, tremores, taquicardia, choros e latidos. Ainda, em casos extremos, convulsões, paradas cardiorrespiratórias e morte.

Para deixar o momento o menos traumático possível, algumas medidas podem ser tomadas. Por exemplo, deixe-os em uma sala fechada e isolada, que seja silenciosa. Evite janelas abertas porque, em muitos casos, os pets conseguem fugir dos ambientes devido ao estresse envolvido.

Alguns veterinários sugerem que se use algodão nos ouvidos para abafar ainda mais os sons. Neste caso, entretanto, é importante que o tutor tenha certeza de que o animal irá lidar bem com os tampões. Se não, não se deve utilizar o recurso.

Viagem sem os pets

Infelizmente, porém, nem sempre é possível levar os bichinhos nas viagens. Para não deixá-los sozinhos, converse com algum amigo que possa cuidar do seu pet neste período. É importante que seja uma pessoa de quem o animal goste e com quem este já esteja acostumado. Deixe brinquedos que possam distraí-lo e peças de roupa, por exemplo, que tenham seu cheiro para que eles não se sintam tão solitários.

Para finalizar, também há a possibilidade de deixá-lo hospedado em algum lugar especializado, que possa oferecer atenção integral ao pet. Na Clínica Espaço Animal, nós oferecemos este serviço. Para saber mais, clique aqui.

Nosso espaço dispõe de todos os cuidados para você viajar despreocupado